quarta-feira, 28 de julho de 2010

Fotos do Encontro de Fuscas em Soledade 25/07/2010

E mais uma vez o tempo não colaborou, mesmo assim reunimos mais de 50 fuscas na praça central de Soldade, vindos das cidade de Passo Fundo, Marau, Panambi, Espumoso, Carazinho, Bento Gonçalves e Novo Hamburgo. Seguem as fotos

segunda-feira, 26 de julho de 2010

O Volkswagen Karmann-Ghia no Brasil - história e curiosidades

Vamos dividir com nosso amigos um pouco da história e curiosidades sobre o VW Karmann-Ghia, em especial do modelo fabricado no Brasil entre 1961 a 1972, carro pelo qual tenho grande admiração.

Em nosso país o Karmann-Ghia, inicialmente saia de fábrica com motores de 1200 cm3 de 32 cv (1962 a 1966); em 1967 passou a ser equipado com motor de 1500 cm3 de 52 cv que foi até o modelo fabricado em 1969, em 1970 o veículo passou por grandes mudanças, passando a usar motores de 1600 cm3 com 60 cv, motorização utilizada até o final da produção em 1972.

Karmann-Ghia 1200, pintura saia-e-blusa e rodas fechadas

As principais modificações, além dos motores, foram nas Lanternas: pequena: 1962 a 1967 (padrão mundial) e modelo grande: 1968 a 1972 (somente no Brasil)
lanterna pequena

lanterna grande

Os parachoques também sofreram modificações durante a produção no Brasil:  modelo “puleiro” com tubos superiores utilizado até o final de 1969 (fotos acima); tipo “lamina” (barra única) a partir de 1970 até 1972 (foto abaixo).


Carros Produzidos: Segundo constava no site da Karmann-Ghia do Brasil, foram fabricados 23.178 veículos no Brasil. Mas segundos dados coletados junto a ANFAVEA/CEDOC pelo Sr. Enio Brandenburg, os números são os seguintes: Coupé (tipo 143), 23.400 veículos; Conversível (tipo 141), 177 unidades.

Tipo 143 1.200cc (1962-1966) = 9.263
Tipo 143 1.500cc (1967-1969) = 11.280
Tipo 143 1.600cc (1970-1972) = 2.850
Tipo 141 1.500cc (1967-1969) = 130
Tipo 141 1.600cc (1970-1972) = 47

Produção anual:
1962 = 759
1963 = 1.868
1964 = 2.285
1965 = 1.951
1966 = 2.400
1967 = 3.009
1968 = 5.000
1969 = 3.459
1970 = 2.083
1971 = 702
1972 = 61

Total de 23.577 unidades (incluindo os 177 conversíveis produzidos) - Dados extraídos da ANFAVEA/CEDOC pelo Enio Brandenburg, autor do livro Automóveis Brasileiros, a história ilustrada de modelos nacionais de passeio, já fora-de-linha, do Romi-Isetta ao Ford Del Rey

Curiosidades:

- Até 1965 ele saiu de fábrica com pintura saia-e-blusa, painel com relógio grande, lanternas traseiras pequenas;

- 1962 a 1966: Mecânica 1200, roda fechada, sem ventilação até 1963, fixada com cinco parafusos, pára-choques com lâminas, tubos e garras, lanterna traseira pequena. Sistema elétrico 6 volts

- Em 1966, só mudam as rodas, que passam a ser como as do Fusca.

- Em 1967 o motor passa a ser o 1500 cm3. Neste ano também começaram a ser fabricados os conversíveis. No ano de 67, saíram 12 unidades da fábrica.

- Em 1968, grandes mudanças. O painel muda, tendo agora relógio pequeno, o Karmann Ghia viria de fábrica com uma roda exclusiva dele, com janelinhas quadradas, semelhantes as do Fuscão, com 10 janelinhas, meio ovais, porém com 5 furos de fixação. Pára-choques com lâminas, tubos e garras, lanterna traseira grande, trava de câmbio. O volante deixa de ser branco igual ao do Fusca e agora preto, com raios ligeiramente inclinados, volante que depois equiparia a linha Variant / TL / Zé do Caixão (vw 1600). Mudança do sistema elétrico: 1ª. série: 6 volts, 2.ª série: 12 volts. Ah, e a grande sensação do momento, espelho retrovisor externo, que até então não era um item obrigatório.

- Em 1968, o Karmann Ghia vinha com uma cobertura plástica no painel que imitava madeira de lei, Jacarandá. Os apliques, imitação de Jacarandá, forrava as portas e laterais traseiras também. Existe alguns modelos com esta forração Jacarandá que tinha um aplique também no centro do velocímetro, mas não é possível confirmar se era de fábrica. Foram fabricadas 5.000 unidades do modelo 68.

- 1968 e 1969: Mecânica 1500 (52 hp), roda fixada com cinco parafusos e desenho quadrado exclusiva do Karmann-Ghia(só em 1969 com 20 janelas e 5 furos; em 1968 rodas com 10 janelas igual ao fuscão mas com 5 furos), pára-choques com lâminas, tubos e garras, lanterna traseira grande. Sistema elétrico 12 volts. Novo painel de instrumentos.

- 1969 2ªsérie: curva dos paralamas traseiros alta, deixando a roda mais a mostra.

- Em 1970, outro ano de grandes mudanças. O motor passa a ser 1600cc com carburação simples, rodas agora seriam com 4 furos de fixação, como o do Fuscão, freios a disco na dianteira, o espelho deixa de ser do paralamas para ser do modelo raquetinha (2.ª série), e os pará-choques deixam de ter "puleiros", para ser em lamina única reta e com duas garras com protetores de borracha. Sistema elétrico 12 volts. Modificação do sistema dos vidro das portas agora com quebra-ventos. A partir de 1970 2ª série : o espelho retrovisor que antes era fixado no paralama passa a ser fixado na porta do motorista.

- Em 1972 deixa de ser produzido no Brasil este modelo, em quanto o modelo Karmann Ghia TC daria continuidade até 1975. Esse foi o ano em que o karmann ghia teve o menor número de unidades produzidas, apenas 61 veículos

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Teutônia 2005

O Encontro de Veículos Antigos realizado na cidade de Teutônia é um dos mais tradicionais do Rio Grande do Sul. Organizado pelo meu amigo Eugênio Tramontini juntamente com o Poder Público Municipal, o evento reúne expositores das mais diversas localidades do Estado, além de participantes de Santa Catarina, Paraná e presenças internacionais de colecionadores vindos da Argentina e Uruguai.


Iniciamos uma série de 'post' com fotos das edições deste evento, começando com a edição de 2005, a primeira que participei.


Destaque no evento foi a presença de um raro SP1 (foto abaixo). O SP1 era o modelo mais simples, com motor 1600 cm3, enquanto que o SP2 tinha um melhor acabamento interno e o motor de 1700 cm3. Devido a pequena diferença de preços e o acabamento mais simplificado do SP1, o modelo básico foi um fracasso de vendas, sendo disponibilizado pela VW somente por poucos meses, permanecendo em produção o SP2.


domingo, 18 de julho de 2010

II Encontro Estadual de Fuscas e Derivados em Soledade/RS - 25/07/2010

Chamada para o II Encontro Estadual de Fuscas e Derivados que será realizado em Soledade, no dia 25/07/2010, no Largo da Matriz. Inscrições no valor de R$ 15,00, que dará direito a uma camiseta do evento, trófeu de participação, entre outros brindes.

A primeira edição do evento (2009), apesar do clima não ter colaborado, temperatura baixa e garoa durante toda a manha e parte da tarde, contou com a presença de Fuscas vindos das mais variadas cidades da região, atingindo quase 100 veículos, sendo uma boa marca considerando as condições climaticas e por ser a primeira edição do evento.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Expoclassic 2010

Nos dias 16, 17 e 18 de julho acontece a Expoclassic 2010, o maior encontro de veículos antigos do Rio Grande do Sul, o terceiro do Brasil e o primeiro em área totalmente coberta e climatizada. O evento contará com diversas atrações, tais como: Daimler Limousine 1952 (carro símbolo do evento); 1a Mostra de Cadillac, com destaque para os modelos de 1959; Sósia do Mr. Bean; presença da réplica do Batmóvel e carro da Penélope Charmosa; equipe do Auto Esporte fazendo matéria sobre os carros importantes do cinema; Jairo Melo interpretando Elvis Presley. Vale a pena conferir. Mais informações, basta clicar nas imagens abaixo.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Fatos & Fotos em Soledade/RS - prova de arrancada em 1972

Iniciando mais uma série no nosso blog, Fatos & Fotos em Soledade/RS. Quem tiver curiosidade em saber um pouco mais sobre a história da cidade de Soledade, pode clicar aqui.

Voltando ao assunto do 'post', o fato é a prova de arrancada no ano de 1972, aniversário de 97 anos de emancipação-politica do município de Soledade. O local da prova é a av. Mal. Floriano Peixoto, largada na frente da Praça Central/Largo da Matriz. A foto ganhei há anos do saudoso 'seu' Zarpellon, antigo fotografo de Soledade.

clique na imagem para ampliar

E os outros detalhes? Alguém sabe qual é o carro ao lado do Fusca? E o Fusca, parece que tem escrito "Passo Fundo" no vigia traseiro? E aquelas mangueiras no capô traseiro? Pilotos/Proprietários? Mas tem uma pessoa que frequenta o blog que poderá nos ajudar, vamos aguardar.

domingo, 4 de julho de 2010

Garagem do 'Jota'

Um tempo atrás estávamos com um problema de espaço aqui em casa, na verdade um pequeno prédio da família, onde meus pais residem num dos apartamentos e eu resido no segundo e um terceiro está alugado. Nossa garagem tem vaga para 3 carros, sendo que estavam todas ocupadas pelos carros de uso diário, um meu e outro do pai e o Fusca 69 ocupando a última vaga. Por essa razão o Fusca 1500, ano 72 e a Lambretta 65 estavam guardadas no porão da casa do meu sogro, o que dificultava a realização dos serviços nesses veículos.
Mas no segundo semestre de 2008 surgiu a possibilidade de comprarmos um terreno no lado do nosso prédio. Realizamos uma pequena reunião de família e decidimos por realizar a compra. Foi então, que meu pai resolveu me presentear com a construção de uma garagem com espaço para uns três veículos, oficina, banheiro, cozinha, churrasqueira e lugar para guardar peças, totalizando uns 66,00 metros quadrados.

Com a nova garagem consegui organizar as peças numa prateleira e as ferramentas 'básicas' que eu tinha antes mesmo da garagem coloquei num painel juntamente com uma mesa.  Aproveitei e comprei mais alguns equipamentos: compressor de ar com kit completo (pistola de pintura, calibrador de pneus, pistola de ar, pulverizador), morça n. 5, esmerilho, lixadeira treme-treme, esmerilhadeira, pequeno macaco jacaré 2 toneladas, furadeira de bancada e um aparelho de solda elétrica.

Como a garagem só saiu graças ao esforço do meu pai, que acompanhou toda a obra, não poderia deixar de prestar uma homenagem ao 'velho', que além de advogado, produtor rural e corretor de imóveis, ultimamente entrou no ramo da construção civil, razão pela qual coloquei numa das vigas da garagem as placas com os nomes das ruas e números dos terrenos das suas principais construções. Essas placas são aquelas utilizadas nas casas para identificação do endereço, sendo as três primeiras placas, da esquerda para a direito, reproduções e as duas últimas são originais de época (fotos abaixo).

Com espaço, ferramentas e o Fusca 72 e a Lambretta em casa, comecei a fazer alguns serviços, mas daí é outra história ...